Depois de diversas denúncias, o Comando Nacional dos Bancários conquistou um protocolo de intenções que visa proteger empregados da Caixa, vigilantes, prestadores de serviço e clientes contra o coronavírus. O documento foi assinado no fim de semana pelo MPT (Ministério Público do Trabalho), Comando e a direção do banco.

Desta forma, o que antes era um protocolo interno passa a ser um compromisso público, com a fiscalização do MPT. Pelo protocolo, a direção da empresa se compromete a revisar o plano de aquisição dos EPIs (Equipamentos de Proteção Individual), adotar medidas efetivas para a proteção dos empregados e terceirizados, como a disponibilização de álcool gel 70, máscaras de proteção e proteção acrílica nas áreas de atendimento, e luvas a depender das atividades exercidas.

As ações incluem ainda o afastamento de adolescentes menores de idade, com ou sem trabalho remoto, sem prejuízo de vencimentos, principalmente estagiários, considerando-se a insalubridade e o risco de contaminação decorrentes do quadro pandêmico de Covid-19, colocação em trabalho remoto de empregados e terceirizados, sem prejuízos de vencimentos, que estejam enquadrados no grupo de risco, como pessoas idosas, obesas, com problemas respiratórios crônicos, problemas renais, além da limitação de ingresso de clientes e usuários nas agências e locais de autoatendimento, possibilitando a distância preconizada pelos organismos de saúde nacional e internacional.

A Caixa também terá de realizar campanhas publicitárias de desestímulo à ida às agências, e com enfoque nas probabilidades de contaminação por Covid-19, e necessidade de autocuidado e de medidas preventivas, valendo-se de panfletos a serem entregues ao usuários, cartazes nas agências, carros de som e, quando necessário, de outros meios alternativos, além da difusão em televisão e rádio.

Fonte: Sindicato dos Bancários da Bahia