Os empregados da Caixa de todo o país lançam nesta quarta-feira (14/8) a campanha “Saúde Caixa para Todos”, que tem o objetivo de reforçar a importância da mobilização contra o CGPAR 23 e também para cobrar a inclusão dos novos empregados no Saúde Caixa, em especial as pessoas com deficiência.  A data foi definida durante o 35º Congresso Nacional dos empregados da Caixa (Conecef), realizado no início de agosto.

O governo Bolsonaro tem propagandeado que a Caixa seria o “banco da inclusão” por conta da convocação de duas mil pessoas com deficiência, decisão só tomada após a judicialização do evidente desrespeito pela Caixa da lei de cotas para PCDs, mas na prática o banco descrimina os trabalhadores.

“O Saúde Caixa é fruto da luta dos empregados da Caixa e essa atual direção da Caixa vem cometendo uma atrocidade, uma desumanidade, ao empregar os trabalhadores PCDs (Pessoas com Deficiência)”, criticou o coordenador da Comissão Executiva dos Empregados da Caixa Econômica Federal (CEE/Caixa), Dionísio Reis.

Por ordem da Justiça, a Caixa vai ter que contratar PCDs para cumprir a cota mínima de 5% de funcionários com deficiência, mas se recusa a incluí-los no Saúde Caixa, o plano de saúde dos empregados. O banco alega que a CGPAR 23 o proíbe de incluir novos contratados no Saúde Caixa.

“A contratação desses trabalhadores é uma conquista dos empregados da Caixa. Agora, estamos lutando para que o banco cumpra o Acordo Coletivo e forneça plano de saúde para esses trabalhadores e que o plano de saúde seja o Saúde Caixa para todos os empregados da ativa, os aposentados e para os novos trabalhadores”

Fonte: CONTRAF com FEEB BA/SE