Sob ataque do governo Bolsonaro, que insiste no desmonte e privatização das empresas públicas, o Bando do Brasil fechou 7.037 postos de trabalho em doze meses. Com isso o quadro de pessoal passou de 92.106 funcionários em setembro de 2020, para 85.069 em setembro de 2021.

A redução se deve, principalmente, ao desligamento de funcionários no escopo do Programa de Adequação de Quadros (PAQ) e do Programa de Desligamento Extraordinário (PDE), que foram lançados no início do ano, junto com o projeto de reestruturação do banco.

Outra consequência da reestruturação pode ser vista no fechamento de 393 agências e 66 postos de atendimento bancário. Já o total de clientes cresceu 3,4 milhões no mesmo período, superando os 76,8 milhões.

Com um número menor de agências e bancários, os clientes sofrem com a demora no atendimento e os funcionários que ficam com a sobrecarga de trabalho. Tudo isso, mesmo com o crescimento do lucro, que chegou a R$ 15,1 bilhões nos primeiros noves meses de 2021.

Fonte: FEEB BA/SE