De forma unilateral, o Banco do Brasil alterou os protocolos de segurança contra a Covid-19 inscritos no manual para o trabalho presencial. Além de surpreender o movimento sindical, a direção do BB ignorou compromissos da empresa registrados em acordo junto ao MPT (Ministério Público do Trabalho) no âmbito federal.

O Banco do Brasil excluiu, por exemplo, o trecho que estabelecia o encerramento do expediente das unidades e a dispensa dos funcionários com abono das horas restantes, para fins de higienização da dependência quando um bancário contaminado estivesse na dependência nas últimas 72 horas.

As entidades representativas pretendem tomar as medidas judiciais cabíveis para garantir a segurança dos trabalhadores, através do trabalho remoto. Como os casos de contaminação pelo coronavírus entre os funcionários, o movimento sindical está preocupado com a atitude do BB.

Ainda mais que com a alta de contaminações dentro do banco sobrecarga da telemedicina da Cassi, cujo atendimento tem durado entre 7 a 8 horas. Desta forma, estimula a desistência e a procura pelo atendimento presencial, o que também obriga os bancários a pagarem os exames do próprio bolso.

Fonte: SEEB BAHIA