Os bancários de Irecê celebraram o seu dia, 28 de agosto, com um ato e protesto, realizado pelo Sindicato dos Bancários de Irecê e Região, na manhã desta quarta-feira (28) em frente a agência da Caixa Econômica Federal, no centro da cidade.

O evento que reuniu parte da categoria, contou com a atenção da população da região de Irecê e dirigentes de outras entidades sindicais.

Durante o ato, acompanhado da animação do DJ Alex Maia, os dirigentes destacaram as importantes vitórias que a categoria tem conquistado e as diversas lutas cotidianas e ataques enfrentados pelos trabalhadores do setor que mais lucra no país. Houve ainda a distribuição para os clientes que aguardavam em uma enorme fila o atendimento, bolos simbolizando a passagem dessa data histórica para a categoria.

História

No dia 28 de agosto de 1951, os bancários decidiram cruzar os braços para reivindicar um reajuste salarial de 40%. Os bancos queriam dar apenas 20%.

Os índices oficiais do governo na época apontavam um aumento de 15,4% no custo de vida. Os bancários refizeram os cálculos e o próprio governo teve que rever seus índices, que saltou para impressionantes 30,7%. Depois de 69 dias de paralisação, os bancários conquistaram 31% de reajuste. Foi a maior greve da história da categoria. O dia 28 de agosto passou a ser considerado como o Dia do Bancário.

“Hoje, mais do que nunca, temos que lembrar dessa história. Mais uma vez precisamos manter a categoria unida e nos fortalecer para lutarmos contra os ataques que estão sendo desferidos não apenas contra nossa categoria, mas contra toda a classe trabalhadora”, afirmou a presidenta da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro, Juvandia Moreira. “O maior motivo de nossa comemoração deve ser a manutenção de nossa aposentadoria e de todos os demais direitos expressos em nossa CCT”, completou.

Muito além do reajuste

Mas, além do reajuste, a greve de 1951 também fez surgir sindicatos de bancários em vários pontos do país. Assim, também é indiscutível a importância da greve para a organização da luta da categoria, que de lá para cá obteve muitas outras conquistas. “Nossa categoria é a única do país com uma Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) nacional. Nossas negociações são realizadas em mesa única, com bancos públicos e privados e nossas conquistas são válidas para bancários de todo território nacional”, ressaltou a presidenta da Confederação.

Outro mérito da greve de 1951, foi a contestação dos dados oficiais do governo. A partir daí, surgiram as bases para a criação do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). O Dieese nasceu com o objetivo de municiar os trabalhadores com dados estatísticos confiáveis.

Da Redação com CONTRAF