Retorno ao trabalho, filas, vacina e nova cepa do covid-19 foram os principais temas em debate na primeira reunião do ano entre o Comando Nacional dos Bancários e a Federação dos Bancos (Fenaban), realizada nesta terça-feira (2/2), por videoconferência.

O Comando condenou o retorno ao trabalho presencial nos bancos neste momento de agravamento da pandemia, com o aumento do número de infectados e de óbitos. Cobrou a manutenção do home office, em especial, para as pessoas do grupo de risco e as que coabitam com pessoas deste grupo.

Os representantes dos bancários defenderam ainda o reforço dos protocolos de higienização dos ambientes de trabalho e também a disponibilização de equipamentos de proteção individual (EPIs), como forma de diminuir os riscos de contaminação.

Diante de informações da Fenaban, de que a nova cepa do vírus nem sempre é detectada pelos testes, o Comando defendeu que o bancário seja testado ao sentir os sintomas da covid, mas que não retorne logo ao local de trabalho mesmo que o resultado seja negativo, se ficar constatado o contato com alguém que esteja doente.

Sobre as filas, o Comando criticou o mecanismo adotado pelos bancos de esvaziar os caixas físicos e transferir a clientela para o autoatendimento, gerando alta concentração também e sem os cuidados devidos. Os trabalhadores cobraram a volta da organização das filas, distanciamento e higienização com empresa habilitada .

O Comando e a Fenaban debateram também a questão da vacina. “Nós deixamos claro que queremos a vacina para todos os brasileiros e brasileiras, obedecendo todas as prioridades. Entretanto, pelo fato da categoria está na linha de frente, defendemos que os bancários possam ser incluídos entre os trabalhadores dos serviços essenciais para a vacinação, depois que todos os grupos prioritários forem atendidos. Sem furar fila, nem passar à frente das pessoas que mais precisam”, ressaltou o presidente da Federação dos Bancários da Bahia e Sergipe, Hermelino Neto, que participou da reunião.

Fonte: FEEB BA/SE