Estudo do Dieese divulgado nesta segunda-feira (22) indica que o arrocho dos salários continua dando o tom das negociações coletivas entre capital e trabalho no país. As negociações das categorias com datas-base em outubro apresentaram o pior resultado de 2021.

Cerca de 65% dos acordos e convenções coletivas analisados pelo órgão foram fechados com reajustes abaixo da inflação medida pelo INPC-IBGE (Índice Nacional de Preços ao Consumidor, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Isto significa redução do valor real dos salários, o popular arrocho salarial tão ao gosto do patronato.

As correções em percentual igual à inflação totalizaram cerca de 21% dos casos; e os resultados com valores acima do índice ficaram próximos de 14%.O resultado de outubro é também, até o momento, pior do que o observado no mesmo mês em 2020.

No acumulado do ano, o percentual de reajustes abaixo da inflação fica em torno de 50%. Resultados iguais ao INPC foram registrados em cerca de 1/3 do total analisado; acima, em quase 17% dos casos. O Dieese ressalva que o resultado de outubro poderá sofrer alterações conforme novas negociações da data-base forem concluídas.

Fonte: Portal CTB