Os empregados da Caixa que permaneceram no PAMS (Programa de Assistência Médica Supletiva) garantiram o acesso à telemedicina. A boa notícia é graças à ação coletiva ingressada pelo movimento sindical, cuja decisão da 13ª Vara do Trabalho de Brasília determinou que o banco garantisse aos usuários do plano de saúde anterior ao Saúde Caixa os serviços da modalidade.

É uma vitória porque os serviços de telemedicina estavam disponíveis apenas para os usuários do Saúde Caixa antes da decisão da Justiça, no dia 1º de julho. Por isso, os empregados, aposentados e pensionistas precisavam sair de casa para conseguir atendimento durante a pandemia.

Sob pena de multa, o banco deve garantir os serviços imediatamente, apesar de ainda aguardar julgamento de recurso. Cerca de três mil empregados não migraram para a atual assistência médica da Caixa apesar da extinção do Programa de Assistência Médica Supletiva. Ao invés de resolver os problemas existentes no PAMS, a empresa prefere negar a telemedicina e outros serviços, mas entidades estão atentas para garantir o direito dos trabalhadores.

Fonte: CONTRAF com SEEB BA